Escapadelas – Barcelona

Com esta é a terceira vez que vou a Barcelona. Adoro esta cidade!

Tanta gente! Meu Deus! quase que não se consegue tirar uma fotografia. Mas é um problema que se encontra por todo o lado, hoje em dia. Efeitos da net. Está tudo à distância de um clique. E, atenção, temos de comprar bilhetes com antecedência para os museus e outras atrações, senão corremos o risco de chegar ao local e estar tudo esgotado. Foi que nos aconteceu no Parc Guell. No entanto pudemos passear na zona pedonal, e visitámos a casa do Gaudí. Não havia fila e pagámos 5,00 euros.

Casa de Gaudí no Parc Guell
Vista de Barcelona, do Parc Guell

Nunca tinha entrado na Sagrada Família, ou qualquer casa “marca” Gaudí. Este ano visitei quase tudo. Na realidade, podemos dizer que é uma cidade Gaudí!

Casa Batlló
Interior Casa Batlló
Casa Milá ~La Pedrera
Casa Vicens

Passámos cerca de 6 horas na Sagrada Família! Quando entrei fiquei esmagada com a grandeza desta Basílica. É espantosa! Gaudí chamou ao interior el bosque, porque os pilares que a sustentam, simbolizam árvores com os seus ramos sustentando o teto. Sempre em construção, esperam que em 2026 esteja concluída.

Vista da Torre da Natividade
Fachada da Paixão
Vista de Barcelona, da Torre da Natividade
Sempre em construção

Não senti a espiritualidade que se sente ao visitar estes templos, que me desculpe Gaudí. Senti sim, como se estivesse num filme de ficção espacial! Noutro planeta.

Gaudí, esse sim, era muito espiritual e crente a Deus! Um celibatário! Creio que ele poderia ter sido um monge, se não fosse o artista brilhante e tão visionário. A sua obra é impressionante!

Mas Barcelona é ainda mais. Gente simpática. Pinxos!, Cañas! Cor, muita cor. Que o diga o mercado La Boqueria, apetece comprar tudo.

La Boqueria

Não perder o restaurante Sagardi, na Argenteria, 62, Bairro Gótico. É uma cadeia de restaurantes de pinxos, Basca. Conhecemos o Ricardo, português, que está a aprender tudo para depois ser o Gerente do espaço que vai abrir no Porto, no fim do ano.

A zona junto ao mediterrâneo é muito agradável.

Rambla del mar

Mais uma vez fui até ao Museu de arte da Catalunha e não entrei. Mas toda a zona envolvente é espetacular e merece ser visitada. O Museu situa-se no Palácio Nacional, foi inaugurado em 1929, quando da exposição internacional de Barcelona, na colina de Montjuic, com Montserrat em frente.

Museu de Arte da Catalunha

Mesmo ali ao lado do Museu podemos visitar por 5,00 euros o Pavilhão Mies Van Der Rohe. Vale a pena pela suas linhas arquitetónicas e pela estátua, elegante!

Barcelona é tudo isto, arte beleza, vida.

Com o Metro podemos visitar a cidade de uma ponta à outra. Comprámos o bilhete T10. 10 viagens. Pode ser usado por mais de uma pessoa. Dá para o metro e Bus. Compra-se nas bilheteiras. No aeroporto vende-se na casa de tabacos. Vamos lá saber por quê! E comprámos o bilhete de Metro do, e para aeroporto. 4.50 € cada viagem. E depois é andar, andar…é mais do que suficiente para 4 dias.

Barcelona é também reivindicação, luta…

Com a Vueling arranja-se vôos muito em conta. O problema hoje em dia, como acontece em todas as companhias, são as malas de mão. Como se paga para despachar as malas para o porão, toda a gente leva cabin luggage. Acontece que depois há malas a mais e “roubam-nos”, literalmente, a mala para a colocarem no porão. Isto enerva-me. Resultado demora no embarque. De resto é só 1:55 h até Barcelona. Com o Booking.com arranja-se facilmente estadia, só depende do valor que se quer gastar.

Um conselho! Comprem os bilhetes nos sites oficiais dos museus. Há muita oferta, mas estes são fiáveis.

O País das Fadas 1

A Boémia foi, para mim, sempre um reino de príncipes e princesas. Mais tarde, conforme o conhecimento ia crescendo, de lindos cristais e cerveja.

No entanto o que prevaleceu foram os príncipes e princesas, talvez fruto das inúmeras histórias que li em pequena.

Até que conheci o meu príncipe.

E finalmente viajei pelas terras da Bohemia.

O ano passado visitamos Národní Park České Švýcarsko, em checo. Em português Parque Nacional da Boémia Suiça que fica a Noroeste de Praga, as uns 200 e poucos km.

Chama-se Boémia Suiça porque, contaram-me uns, no passado iam à Suiça buscar madeireiros para cortar as árvores e estas gentes acabaram por criar uma comunidade.

Chama-se assim, contaram-me outros, porque uns artistas suíços do século XVIII acharam esta região, da República Checa, muito parecida com a Suíça.

Para mim é o País das Fadas.

As casas de madeira! Só existiam, até então, nos contos que eu lia em pequena, como já disse.

A paisagem! A comida e as gentes ultra simpáticas que é, por agora, uma raridade entre as gentes checas.

Este Parque é totalmente coberto por florestas, mas são as formações geológicas as principais atrações do Parque , seguidas pela diversidade de animais e plantas. Uma natureza deslumbrante, canyons, torres gigantescas de arenito, riachos e miradouros. Isso sem falar nas vilas encantadas como Hřensko nas margens do rio Elba.


 Pravčická Brána  – o maior arco de arenito da Europa, Já foi cenário do filme Crónicas de Nárnia
 Pravčická Brána  – Em 1981 o Príncipe
Edmund of Clary-Aldringen construíu o hotel
Sokolí hnízdo (o ninho do falcão)

Como sempre, através do Booking.com, encontrámos Garden Hotel Mezná, no meio da floresta. Preços acessíveis e muito bem localizado e partir daí, a pé, barco de autocarro explorámos o Parque.

Jantámos na Penzion na vyhlídce, onde se podia dormir também, como o nome indica. Comida excelente e pessoal super simpático

Lagoa Pequena – Sesimbra

O espaço Interpretativo da Lagoa Pequena, situado perto da Lagoa de Albufeira, e pertíssimo de Lisboa, é um local fantástico para observação de aves.

Está aberto todos os dias e para quem gosta muito de observar aves, no terceiro sábado, de cada mês, abre à 7:00 horas. Merece a pena, porque é uma altura do dia que ainda há pouca gente por lá e não há barulho. Só o clique das câmaras.

Eu ainda sou muito amadora e tenho muito que aprender para conseguir boas fotos destes animais. É preciso treinar muito

Corvos marinhos a preguiçar