Açores – Terceira

A Ilha da Terceira é uma das nove ilhas do arquipélago e pertence ao grupo central , onde se encontram também Pico, Faial, S. Jorge e Graciosa.

https://mytagide.blog/acores-terceira/

Escapadelas: Sevilha

De Monchique, no Algarve, a Sevilha é caminho, praticamente, em linha reta e são 264 km, cerca de 2h40m.

Ponte internacional do Guadiana

Foi o que fizemos neste final de ano. Habitualmente vamos para Monchique e ficamos na casa de amigos, no meio da montanha, completamente isolados. Este ano concretizámos um plano que já tinha algum tempo.

Fomos no dia 28 e voltámos no dia 30 de dezembro.

Na ida para lá, poucos quilómetros depois de passarmos Huelva parámos num pequeno “pueblo” San Juan del Puerto para almoçar. Em boa hora.

Almoçamos num restaurante, onde parece que vai toda a gente que passa por ali “Basseria El Punto”. Descobrimos mais tarde que vem no Tripadvisor. Comemos umas costelas de porco que se desfaziam na boca. Umas doses enormes e comida excelente. Estão sempre a servir refeições.

Seguimos para Sevilha. Ficámos hospedados no Hotel Don Paco, muito central, mas sem espaço para estacionar o carro no parque deles. Estacionámos o carro num parque de estacionamento subterrâneo um pouco mais à frente, Parking José Laguillho e pagámos quando saímos cerca de 26,00 euros. Não foi nada mau!

Estacionado o carro malas no hotel, cerca das 15:00 horas, pé na estrada e começámos a calcorrear a cidade.

Começámos logo por assistir a um espetáculo de flamenco numa tasca de bairro com locais. É extraordinário como os Espanhóis vivem o flamenco. É natural ver nas ruas pessoas que passeiam com as suas famílias e de repente começam a dançar e a cantar!

As ruas estavam pejadas de gentes. principalmente Espanhóis. Famílias inteiras. Eram tantas as gentes que quase não conseguíamos atravessar de um lado para o outro, numa rua.

Las Setas de Sevilha. Plaza de La Encarnación. Construido em cima do antigo mercado, é uma estrutura enorme em madeira. Tem o formato de cogumelo, daí o nome – Setas – Pode subir-se ao topo e apreciar a vista sobre a cidade.

E continuámos a nossa exploração. Logo a seguir ao Natal, antes do Ano Novo, estava tudo enfeitado com luzes de Natal. Uma decoração riquíssima como nunca vi em Lisboa, por exemplo.

Visitámos o bairro de Triana onde nasceu o flamenco, atravessando o rio Gualdaquivir. Lembrei-me do álbum de Chris de Burgh “Spanish train and other stories” que eu adorava nos meus 19, 20 anos. lembrei-me muito da faixa “there is a train that runs between Guadalquivir and old Seville”.

Comemos tapas e bebemos vinho e fomos dormir.

No dia seguinte tínhamos visita guiada a Real Alcazár de Sevilha às 13:00 horas. Até lá passeámos pelas ruas de Sevilha, visitámos igrejas riquíssimas, metemos o nariz em lojas de doces, visitámos o bairro judeu e apreciamos as gentes que andavam e um lado para o outro.

Miguel, o nosso guia em Alcázar chegou atrasado, mas depois foi intensivo nas suas explicações sobre Alcazár e a importância dos Muçulmanos em Espanha e falou bastante sobre Portugal e a interligação que, no fim, estes dois países sempre tiveram. Muito interessante.

Almoçamos num pateo andaluz bocadillos de rámon queso e patátas. E continuámos.

Ao fim da tarde fomos ver um espetáculo de flamenco numa Sociedade de Flamenco, com profissionais, pagámos 20,00 euros, cada, por uma hora fabulosa. Antes fomos a uma tasca comer mais tapas e beber una copa.

Estes vídeos foram feitos com o telemóvel, no escuro. Daí a pouca qualidade. Mas fica o registo.

Quando saímos de espetáculo fomos visitar a Catedral que é lindissima. Mas não tivemos tempo de ver tudo porque entretanto fechou.

No dia seguinte, tomámos um excelente pequeno almoço. Os pequenos almoços eram pagos à parte, 10,00 euros por pessoa. Mas vale a pena. Um buffet com tudo. Deixámos a malas na receção e fomos ver o que faltava da Catedral.

O Túmulo de Cristovão Colombo, dentro da Catedral

Partimos para Monchique. Parámos de novo em San Juan del Puerto e almoçámos. Eram 16:00 horas.

O tempo esteve sempre ótimo. Quente durante o dia, à volta de 17 graus e sol. Há noite fazia bastante frio. Assim é Sevilha. Uma pérola a visitar.

Dinamarca – Copenhaga – Viagem dia 18

Chegou o dia do regresso. Metemos tudo no carro e lá fomos nós em direção a Gedser para apanhar o ferry para Rostock na Alemanha.

Ver: https://mytagide.blog/dinamarca—copenhaga—viagem-dia-18/

Noruega Dia 3

Tjuvholmen (ilha dos ladrões) é um local fantástico, onde já estão instalados os belíssimos edifícios que agora crescem na zona onde temos o apartamento. Aqui, estiveram envolvidos 40 arquitectos desde 2004 para a construção destas obras de arte.

Ver: https://mytagide.blog/noruega—oslo—dia-3/

Escapadelas – Barcelona

Com esta é a terceira vez que vou a Barcelona. Adoro esta cidade!

Tanta gente! Meu Deus! quase que não se consegue tirar uma fotografia. Mas é um problema que se encontra por todo o lado, hoje em dia. Efeitos da net. Está tudo à distância de um clique. E, atenção, temos de comprar bilhetes com antecedência para os museus e outras atrações, senão corremos o risco de chegar ao local e estar tudo esgotado. Foi que nos aconteceu no Parc Guell. No entanto pudemos passear na zona pedonal, e visitámos a casa do Gaudí. Não havia fila e pagámos 5,00 euros.

Casa de Gaudí no Parc Guell
Vista de Barcelona, do Parc Guell

Nunca tinha entrado na Sagrada Família, ou qualquer casa “marca” Gaudí. Este ano visitei quase tudo. Na realidade, podemos dizer que é uma cidade Gaudí!

Casa Batlló
Interior Casa Batlló
Casa Milá ~La Pedrera
Casa Vicens

Passámos cerca de 6 horas na Sagrada Família! Quando entrei fiquei esmagada com a grandeza desta Basílica. É espantosa! Gaudí chamou ao interior el bosque, porque os pilares que a sustentam, simbolizam árvores com os seus ramos sustentando o teto. Sempre em construção, esperam que em 2026 esteja concluída.

Vista da Torre da Natividade
Fachada da Paixão
Vista de Barcelona, da Torre da Natividade
Sempre em construção

Não senti a espiritualidade que se sente ao visitar estes templos, que me desculpe Gaudí. Senti sim, como se estivesse num filme de ficção espacial! Noutro planeta.

Gaudí, esse sim, era muito espiritual e crente a Deus! Um celibatário! Creio que ele poderia ter sido um monge, se não fosse o artista brilhante e tão visionário. A sua obra é impressionante!

Mas Barcelona é ainda mais. Gente simpática. Pinxos!, Cañas! Cor, muita cor. Que o diga o mercado La Boqueria, apetece comprar tudo.

La Boqueria

Não perder o restaurante Sagardi, na Argenteria, 62, Bairro Gótico. É uma cadeia de restaurantes de pinxos, Basca. Conhecemos o Ricardo, português, que está a aprender tudo para depois ser o Gerente do espaço que vai abrir no Porto, no fim do ano.

A zona junto ao mediterrâneo é muito agradável.

Rambla del mar

Mais uma vez fui até ao Museu de arte da Catalunha e não entrei. Mas toda a zona envolvente é espetacular e merece ser visitada. O Museu situa-se no Palácio Nacional, foi inaugurado em 1929, quando da exposição internacional de Barcelona, na colina de Montjuic, com Montserrat em frente.

Museu de Arte da Catalunha

Mesmo ali ao lado do Museu podemos visitar por 5,00 euros o Pavilhão Mies Van Der Rohe. Vale a pena pela suas linhas arquitetónicas e pela estátua, elegante!

Barcelona é tudo isto, arte beleza, vida.

Com o Metro podemos visitar a cidade de uma ponta à outra. Comprámos o bilhete T10. 10 viagens. Pode ser usado por mais de uma pessoa. Dá para o metro e Bus. Compra-se nas bilheteiras. No aeroporto vende-se na casa de tabacos. Vamos lá saber por quê! E comprámos o bilhete de Metro do, e para aeroporto. 4.50 € cada viagem. E depois é andar, andar…é mais do que suficiente para 4 dias.

Barcelona é também reivindicação, luta…

Com a Vueling arranja-se vôos muito em conta. O problema hoje em dia, como acontece em todas as companhias, são as malas de mão. Como se paga para despachar as malas para o porão, toda a gente leva cabin luggage. Acontece que depois há malas a mais e “roubam-nos”, literalmente, a mala para a colocarem no porão. Isto enerva-me. Resultado demora no embarque. De resto é só 1:55 h até Barcelona. Com o Booking.com arranja-se facilmente estadia, só depende do valor que se quer gastar.

Um conselho! Comprem os bilhetes nos sites oficiais dos museus. Há muita oferta, mas estes são fiáveis.