Noruega- Viagem – Moss – Dia 14

Estava um dia lindíssimo e quente. Foi mais uma viagem cheia de contrastes. Ferries, vales e um planalto lindo, Hemsedal, local de muito desportos de inverno.

https://mytagide.blog/noruega–viagem—moss—dia-14/

Noruega – Jostedalsbreen National Park – Bergsetbreen – Dia 13

Hoje foi dia de visitarmos outro braço do Glaciar – Bergsetbreen. Foi igualmente fascinante. O percurso até lá é muito mais linear do que o dia anterior, tem mais condições para se atravessar os percursos de água e é todo feito através de um vale lindo.

Ver: https://mytagide.blog/noruega-–-jostedalsbreen-national-park—bergsetbreen—dia-13/

Noruega – Jostedalsbreen National Park – Nigardsbreen – Dia 12

Todo o Parque é o glaciar. O que podemos avistar, ou visitar são os braços deste glaciar.

Ver: https://mytagide.blog/noruega—jostedalsbreen-national-park—–dia-12/

Noruega – Stordal – Geiranger – dia 10

O Fjord de Geiranger é considerado o mais bonito da Noruega e é Património da UNESCO. Na viagem de 90 minutos pudemos ver as belas cascatas, entre outras, as sete irmãs e o véu da noiva, quintas abandonadas, no alto das montanhas, onde no passado os agricultores viviam e trabalhavam, em locais tão inóspitos que faz pensar em como conseguiam sobreviver.

Ver: https://mytagide.blog/noruega—stordal—geiranger—dia-10/

As minhas viagens aos Parques Nacionais nos USA. 2011 Arches.

E chegámos ao National Park of Arches, no Utah!

Deserto, calor, muito calor. Acho que parte do meu cérebro cozeu lá. A outra parte cozeu, anos depois, em Death Valley, mas isso é para mais tarde.

Já referi aqui que temos o péssimo hábito, eu e o meu marido, de começarmos as nossas excursões tarde. Começar uma vista a este Parque ao meio-dia, é de doidos! Conselho: Não o façam! Mas acabámos por sobreviver e estar aqui a contar a história.

Lembro que nestes confins do mundo americano não havia rede no telemóvel! Imaginem! Mas é verdade.

Já de volta para Chicago, num ponto mais alto, ainda no Utah, lá conseguimos rede e eu telefonei para Portugal, para falar com o meu irmão que estava desesperado sem notícias minhas.

Ficámos num Motel em Moab e foi nesta cidade que comi bife de búfalo pela primeira vez. É delicioso. Provem se tiverem essa oportunidade.

Também comemos uns gelados maravilhosos, debaixo de um calor assolador.

Mas ver estas esculturas naturais no meio do deserto é fascinante. Os Norte Americanos chamam a este parque “the red-rock wonderland”

https://www.nps.gov/arch/index.htm

 

 

 

As minhas viagens aos Parques Nacionais nos USA. 2011 Grand Canyon

Neste périplo pelos USA, atravessámos a Nação Navajo que me tocou bastante, na realidade. É uma área tão inóspita, quente e desértica. Foi este pedaço de terra que deram aos índios desta tribo. No entanto cruzámos-nos várias vezes com pequenos oásis. Tirando proveito de cursos de água conseguiram, em alguns vales, plantar árvores de fruto, milho, muito milho e outras culturas. É interessantíssimo ver de repente entre as terras áridas, um verde vibrante.

Têm também exploração de petróleo .

Mas para o comum do Norte Americano, foi o que ouvimos de volta a Valparaíso, os índios são preguiçosos e só gostam de beber.

Não é agradável ouvir isto, depois de sabermos o que se passou com os índios, as terras (reservas) em que têm de viver e o que têm de enfrentar.

Saímos de Monumento Valley diretos a Tuba City em plena Nação Navajo e ficámos duas noites num Motel.

E subimos e descemos as trilhas do Grand Canyon. Sentimos o silêncio dos canyon, quando os turistas deixavam. E vimos esquilos e o pôr do sol, mas não chegámos a descer até ao rio Colorado. Porque temos este péssimo hábito de começar sempre tarde as nossas excursões.

Uma vez disseram-me que uma das coisas que devemos fazer nesta vida é visitar o Grand Canyon. Já lá estive!